Resenha: O guia do mochileiro das galáxias

Douglas Adams, 156 páginas – Editora Arqueiro, São Paulo – 2010.

IMG_4503

Numa quinta-feira, o inglês Arthur Dent fica deitado na lama tentando impedir que demolissem a sua casa para construir um desvio, algo inútil já que todo o planeta Terra seria destruído para construírem uma estrada intergaláctica. Antes de ser explodido pelos Vogons, Arthur escapa da Terra pegando uma carona clandestina com seu amigo Ford Prefect, o qual na verdade é um alienígena mochileiro de Betelgeuse e estava disfarçado no planeta trabalhando na nova edição do Guia do Mochileiro das Galáxias. Juntos, eles acabam caindo na nave Coração de Ouro que funciona graças ao gerador de improbabilidade infinita, roubada recentemente pelo mais novo presidente da galáxia Zaphod Beeblebrox, a terráquea Trillian McMillan e um robô depressivo chamado Marvin.

IMG_4498

Sempre tive curiosidade de ler essa série, mas a oportunidade só veio agora devido a uma compra por impulso. Para começar, o livro é o Volume Um da Trilogia de Cinco escrito por Douglas Adams. A história é cheia de críticas a sociedade, aos costumes britânicos e a política. É uma leitura fácil mas fica um pouco pesada se você não entender algumas referências ou estiver esperando algo mais infantil. A escrita é muito boa e o humor sarcástico da história torna as situações absurdas que os personagens se encontram mais incríveis ainda. Com um pouco mais de 150 páginas, é uma leitura rápida mas não me deixou ansiosa para ler os outros volumes, por enquanto.

Anúncios

Viagem: São Paulo + Lollapalooza

 

IMG_4440Finalmente tive tempo pra escrever esse post. Como vocês devem ter percebido eu estou um pouco ausente das redes sociais porque estou trabalhando e estudando e isso está tirando todo o meu tempo livre. Mas, pra eu não me suicidar de tanto trabalho + faculdade + trânsito, tirei uma semana de férias da minha vida e fui pra São Paulo para tirar meu visto americano e para ir ao festival Lollapalooza.

Primeiramente, a viagem foi curta, corrida mas foi maravilhosa. Estive em São Paulo ano passado por mais tempo mas dessa vez conheci mais lugares do que antes. Fui pela primeira vez na Avenida Paulista (de dia e de noite) e aquela rua é maravilhosa, fui na Rua 25 de Março e no Brás (adoro comprar trequinhos inúteis nesses lugares), em quatro shoppings diferentes (Shopping Morumbi, Frei Caneca, Patio Paulista e Market Place), assisti o show do Skrillex e comi tanto que estou cheia até agora (mentira). Infelizmente, só o meu processo do visto americano deu errado porque a entrevista seria no último dia da viagem mas o Consulado cancelou o atendimento daquele dia e passou todos para dois dias depois, aí eu já estaria em Manaus. Aí eu voltei sem visto, sem dinheiro e gripada. O bom é que se eu não quiser perder o dinheiro da taxa do visto (500 dilminhas gente, não dá) eu vou ter que viajar pra tirar de novo, ou seja, lá vamos nós de novo (se tudo der certo, em nome de Jesus, Amém). Enquanto isso, fiquem com as poucas fotos que eu tirei na viagem.

IMG_4437

Escadaria do Hostel Paulista, lugar onde uns amigos ficaram hospedados.

IMG_4438

Vista do apartamento que eu fiquei hospedada (tô acostumada com vista pro muro da minha casa gente, isso é uma paisagem)

IMG_4441

Melhor batata frita do mundo é servida no Outback steakhouse.

IMG_4446

Achava que só servia pra tirar foto mas é gostoso, principalmente o de brigadeiro com base café e o de morango com base creme. Yummi.

IMG_4439 IMG_4442 IMG_4443 Processed with VSCOcam with f2 presetProcessed with VSCOcam with g3 preset

Além de tudo isso, com a viagem eu consegui riscar mais alguns itens da lista dos 101 em 1001:

54. Ir num festival de música em outra cidade

57. Viajar com meu namorado de novo

91. Comprar um tênis novo

Além disso, risquei outros itens:

32. Andar de bicicleta

10. Arranjar um emprego

Se quiserem continuar acompanhando tudo o que acontece me sigam no meu instagram pessoal: @milacavalcante

 

Resenha: A vida secreta das abelhas

Sue Monk Kidd, 231 páginas – Editora Paralela, 2014.

IMG_4502

O livro ‘’A vida secreta das abelhas’’, escrito pela americana Sue Monk Kidd foi publicado no Brasil em 2004 pela Editora Paralela. A história é contada pelo ponto de vista de Lily Owens, uma garota que vive na Carolina do Sul, onde perdeu a mãe muito cedo e vive com o seu pai, T. Ray, o qual criou a filha de forma violenta e sua babá Rosaleen, uma negra que trabalhava colhendo pêssegos. Apesar de terem se passado mais de dez anos desde a morte de sua mãe – Deborah -, Lily sente a sua ausência e a única lembrança que ela tem é da sua morte e de poucos pertences que a garota guarda escondido do pai.

A história se passa no ano de 1964, logo depois da assinatura da Lei dos Direitos Civis, a qual acabaria com os sistemas de segregação racial nos Estados Unidos. No dia em que Lily completa catorze anos, ela e Rosaleen vão a cidade para que a babá pudesse se registrar para votar, mas antes que isso acontecesse três homens brancos as abordaram e Rosaleen acaba presa e espancada. Lily volta pra casa onde seu pai furioso acaba dizendo que a mãe dela a abandonou e que Rosaleen seria morta na cadeia. Desesperada, Lily foge de casa e tira Rosaleen da cadeia e juntas elas fogem para Tiburon, uma cidadezinha onde ela tem certeza que sua mãe viveu por causa de uma imagem da Virgem Maria negra que ela possuía.

IMG_4497

As duas chegam em Tiburon sem plano algum, mas dão sorte ao encontrar numa loja uma porção de vidros de mel com o rótulo dizendo ‘’MEL DA MADONA NEGRA’ e uma imagem da Maria negra idêntica a que Lily possuía. Tendo a certeza de que sua mãe passara por ali, Lily segue direto para a casa pintada de um rosa mais esquisito da cidade pertencente a  August Boatwright, a criadora das abelhas. Lá, ela descobre que a casa pertence a três irmãs negras: August, June e May Boatwright. August é a irmã mais velha e criadora das abelhas, June toca violoncelo e é professora em uma escola para negros e May é a irmã especial que não consegue distinguir a dor dos outros para a sua desde que sua irmã gêmea April se suicidou. Inicialmente, a garota não conta sua verdadeira história e August a deixa ficar morar lá por alguns dias.

Lily passa então a trabalhar no apiário preparando o mel junto com August e Zack – o afilhado de August -, se encantando pela rotina da casa e pela vida dedicada a criação de abelhas e mel. De forma suave, vemos Lily sentir que começa a fazer parte da família, conquistando até mesmo June, que não a suportava no inicio.

Por fim, temos uma bela história que retrata em seu plano de fundo sobre o preconceito, mesmo naqueles que ousam dizer que não são preconceituosos e o machismo, tão presente na sociedade hoje e antigamente. Aprendemos ainda sobre a sociedade das abelhas e como algo simples pode influenciar as nossas vidas. Fiquei encantada pelas diferentes personalidades das irmãs Boatwright, que mesmo com o maior dos problemas ou das desavenças, elas permanecem unidas. O desfecho da série não me agradou muito mas ainda assim é um livro que vale a pena ler.

Em 2009 foi lançada a versão cinematográfica da história, sendo dirigida pela Gina Prince-Bythewood e estrelando Dakota Fanning como Lily, Jennifer Hudson como Rosaleen, Queen Latifah como August e Alicia Keys como June.