Fotografia: Love wins

DSC_0083editadaEsse foi o primeiro ensaio fotográfico que eu fiz em uma área externa e foi o mais engraçado de todos. Engraçado não só pelo casal ou pela minha timidez em fotografar com outras pessoas me olhando. O mais engraçado foi ver a reação das pessoas ao redor enquanto estávamos ali, registrando um casal cheio de amor. Teve um momento que eu achei que íamos levar porrada de tanta encarada que levamos de um homem. Mas foi divertido. Tanto eu quanto o casal ficamos tímidos no começo o que dificultou mas depois e um tempo ficou bem mais fácil e o resultado vocês conferem abaixo.DSC_0073edjtDSC_0046editDSC_0027editDSC_0060edDSC_0047ediDSC_0043editadaDSC_0049editada

DSC_0078editada DSC_0017edit DSC_0085edit

Anúncios

Resenha: A Herdeira

Kiera Cass, São Paulo, Editora Seguinte, 391 páginas – 2015A herdeira

Sinopse: Vinte anos atrás, America Singer participou da Seleção e conquistou o coração do príncipe Maxon. Agora chegou a vez da princesa Eadlyn, a filha mais velha do casal. Criada para ser uma líder forte e independente, ela nunca quis viver um conto de fadas como o de seus pais. Por isso, antes de conhecer os trinta e cinco pretendentes que irão disputar sua mão numa nova Seleção, a jovem está totalmente descrente. Mas, assim que a competição começa, a situação muda de figura, e Eadlyn percebe que encontrar seu príncipe encantado talvez não seja tão impossível quanto imaginava.

A herdeira se passa vinte anos depois do final de A Escolha e agora o casal de conto de fadas Maxon e America se tornam os coadjuvantes da história. No começo é difícil aceitar que os dois estão velhos, cheios de filhos, problemas e que mesmo tentando ser os melhores governantes que Illéa teve, eles estão encontrando muita dificuldade. Mais difícil ainda devido a protagonista Eadlyn, filha mais velha do casal e herdeira de acordo com as novas leis ser uma garota mimada, egoísta e irritante. Mas vamos relevar, Eadlyn nasceu com a responsabilidade de ser a Rainha, cresceu tendo que aprender sobre tudo e mais um pouco já sabendo o que viria no futuro enquanto seus irmãos não tinham que se preocupar muito com isso. Qualquer pessoa se tornaria um saco com esse peso nos ombros. Devido a isso, ela cresce sendo uma princesa dura, inteligente, independente e sem vontade alguma de se casar.

Voltando a falar do nosso casal 10, America e Maxon quando assumiram o trono aboliram o sistema de castas para acabar com o preconceito que existia nas pessoas. Por algum tempo isso deu esperança à população mas não adiantou. Mesmo vinte anos depois, o preconceito e a segregação entre castas continuava implicitamente. Revoltosos, o povo começava a se rebelar e enfrentar a família Real. Diante disso, para acalmar os nervos da população e distraí-los enquanto se pensava numa solução, a saída que encontram foi: Fazer outra Seleção.

Para quem achava que America e Maxon iam cumprir a palavra e não fazer outra Seleção: vocês estavam errados. Para não repetir o que aconteceu em A Seleção, colocaram a nada carismática Eadlyn para escolher seu futuro Rei. Assim, trinta e cinco homens escolhidos aleatoriamente vão para o castelo cortejar a princesa. Eadlyn, sem carisma nenhum tenta se livrar de todos os Selecionados para não precisar dividir o trono mas acaba reconsiderando em protelar ao máximo a Seleção para ajudar a família.AHERDEIRA

Outra coisa que me incomodou tanto nessa história quanto nas outras é que a Kiera apresenta um problema social e esquece ele pelo resto da história. Vinte anos atrás, os rebeldes simplesmente eram citados ou apareciam esporadicamente apenas pros leitores não esquecerem que havia algo ameaçando a realeza. Nesse livro foi a mesma coisa, no início tiveram alguns pequenos incidentes apenas para nos convencer que a Seleção era a solução e depois isso some da história. Mas para salvar a história, os Selecionados entraram em campo. Eadlyn ao conviver com eles, amolece mais o seu coração de gelo e até tenta se aproximar de alguns. Claro que trinta e cinco homens são bem diferentes e menos barulhentos e fofoqueiros que trinca e cinco mulheres mas eles tornam a história bem mais fácil e alegre de ler. Não tem como identificar quem a princesa vai escolher ou mesmo se ela vai escolher alguém, mas as opções são bem interessantes. Não há um romance fofinho como o da America e do Maxon mas depois que você se acostuma com isso, fica mais fácil entender a história.

Por fim, a história é legal, a leitura segue o mesmo padrão dos outros livros: simples, de fácil entendimento e flui tão suavemente que você só percebe que o livro acabou porque não tem mais o que ler.Aherdeira2

Novidades sobre a série 

Vai ter filme! Depois de toneladas de rumores sobre a adaptação de A Seleção para a televisão, a Warner Bros finalmente nos tirou do ”Será?”. O time que temos confirmados até agora são os produtores Denise DiNovi (Edward mãos de tesoura) e Alison Greenspan (Se eu ficar) e Pouya Shahbazian (Divergente), além de Katie Lovejoy como roteirista. Ainda é cedo pra dizer se a  adaptação vai realmente acontecer mas o primeiro passo foi dado.

Para ler a resenha do livro A Escolha, clique aqui.