Minha experiência com o intercâmbio de trabalho da Disney

IMG_6285

Sempre tive o sonho de fazer intercâmbio. O sonho virou uma meta que eu tento alcançar desde os 18 anos quando comecei a procurar diferentes cursos e países para estudar. Apesar de meta, nunca tinha dado certo. Mas esse ano eu estava disposta a mudar isso. Em Outubro de 2015 conheci o programa de intercâmbio cultural para trabalhar na Disney pelo canal do Igor Saringer. Ele tinha postado o primeiro vídeo sobre o processo e eu achei bem interessante. Em meados de Dezembro, quando ele já tinha postado um milhão de vídeos incríveis sobre o assunto eu decidi tentar.

O intercâmbio consiste em trabalhar nos parques e resorts da Disney entre Novembro e Fevereiro, quando geralmente ocorre as férias no Brasil. Para participar você precisa assistir uma palestra que ocorre em Maio em diversas cidades do Brasil e participar de uma entrevista com a agência que representa a Disney no Brasil, no caso a STB. Uma vez aprovado na primeira fase, você viaja para São Paulo para fazer uma outra entrevista com os recrutadores da Disney que decidem de fato se você está apto para trabalhar na Disney ou não.

Apesar de ser um processo lento e caro para a maioria das pessoas (principalmente para as que não moram em São Paulo e precisam pegar avião para as entrevistas) eu decidi arriscar. Coloquei esse intercâmbio no topo das minhas prioridades. Por meses procurei saber sobre cada mínimo detalhe de como funcionavam as coisas e cada nova descoberta a paixão pela Disney crescia cada vez mais.

O mais difícil para mim era arrecadar dinheiro suficiente para viajar. Trabalho como professora em um curso de inglês e apesar de não ganhar mal, dificilmente daria pra juntar dinheiro suficiente até Outubro. Comecei a economizar, aprendi a fazer brownie e vender na faculdade (@browniemaniamanaus) e até que deu pra juntar um pouquinho. Na minha cabeça, se não desse pra juntar dinheiro suficiente iria vender o carro, fazer empréstimo, o importante era não perder a oportunidade.

Chegou Maio e com ele a primeira entrevista. No dia 17 de Maio viajei para Brasília com o sentimento de que estava lutando para realizar um sonho. Graças a uma amiga que também estava tentando o programa, ficamos hospedadas na casa de uma moça muito fofa que abriu as portas para nós duas mesmo nunca tendo nos visto. Foi uma experiência que eu nunca esperava que acontecesse. Na palestra, tocou músicas da Disney e muita gente estava chorando logo no início. Mas eram lágrimas de excitação, cheias de esperança por não saber o que nos aguardava no futuro.

IMG_6196A entrevista aconteceu no mesmo dia, poucas horas depois da palestra. Fui o mais social que consegui, calça social, blusa branca de botões e um sapato preto fechado. Estava tão nervosa que minha mão tremia um pouquinho. Esperei meu nome ser chamado e entrei na sala meio desengonçada. A menina que ia fazer a entrevista junto comigo estava tão nervosa quanto eu. Éramos do mesmo grupo no WhatsApp. A entrevista correu muito bem, falei dos motivos que me fizeram escolher esse programa, por que queria trabalhar como mershandising ou custodial e como isso ajudaria minha carreira. Falei um pouco alto demais devido ao nervosismo mas fiquei feliz de pelo menos ter conseguido falar algo. Saí de lá tanto aliviada quanto temerosa por ter falado alguma besteira.

Voltei para casa e esperei o resultado ansiosamente. Checava se o status tinha mudado várias vezes por semana mesmo sabendo que o resultado só sairia em Julho. Tentei deixar a ansiedade de lado e focar em arrumar dinheiro para conseguir ir. No dia 2 de Julho os resultados começaram a sair. Estava dando aula quando o celular começou a apitar, todos os cinco grupos do WhatsApp que eu fazia parte estavam eufóricos. Naquela hora corri para olhar meu status, não abriu no celular, o computador travou, foi uma tensão só. Até que eu consegui abrir. Só não desabei em lágrimas na hora porque não podia fazer isso na frente dos meu alunos mas a decepção foi gigantesca. IMG_6147

Fiquei de stand by na primeira fase do processo da Disney. Assim que entrei no carro chorei bastante de decepção mas logo a esperança voltou um pouquinho. Ora, ficar de stand by significa ainda ter chance de passar, não é mesmo? Ainda haviam chances de me chamarem. E assim esperei. Os dias foram passando e quando saiu a primeira onda de chamados da lista de espera e meu status permanecia inalterado a pontinha de esperança que ainda me restava foi se apagando lentamente. Foi difícil encarar o fato de que não seria chamada para trabalhar na Disney. Saí de todos os grupos do WhatsApp e tentei tirar aquilo da minha mente. Foi difícil, os últimos meses da minha vida se resumiam a falar de Disney, ler sobre a Disney e pensar sobre a Disney. Sair dessa bolha foi bastante doloroso mas não teve jeito.

Me inscrevi para fazer um intercâmbio voluntário pra tapar a feridinha amarga que o processo deixou em mim. Decidi não levar adiante. Hoje é 30 de Agosto e a maioria das pessoas que passaram na segunda fase do processo estão com um sorriso no rosto por estarem recebendo o tão esperado e-mail de Congratulations. Espero que vocês aproveitem muito o programa e tragam boas lembranças e aprendizados. Para os que assim como eu não conseguiram esse ano, não fiquem triste ou muito menos menosprezem a felicidade do colega que passou. Esse não foi o fim. Pelo menos pra mim.

Hoje eu percebo que mesmo se passasse não teria como arcar as despesas do programa. Minha conta bancária hoje possui 2,50 reais muito bem economizados. Pensei muito se tentaria o programa de novo ano que vem pois farei TCC e estágio, mas vai saber o que o futuro me espera, não é mesmo? Decidi hoje que iria tentar novamente e que daria o melhor de mim para realizar essa meta. Se vai dar certo, ninguém sabe, mas como o boss disse ”if you can dream it, you can do it”. E assim será.

Have a magical day!