Retrospectiva 2016: Metas cumpridas

d5ee208facf7a00efa14a361e5c9b419No dia 16 de Julho de 2014 eu iniciei uma lista com 101 coisas para fazer em 1001 dias onde, como o nome já diz, você deve traçar 101 metas para fazer ao longo de 1001 dias. As minhas metas terminam em 13 de Março de 2017 e eu não vou realizar tudo o que falta, infelizmente. Entretanto, em 2016 eu pude riscar alguns itens dessa lista que me fizeram muito feliz.

  • Terminar o curso de inglês 

Depois de quase 9 anos estudando inglês e 1 ano e meio já sendo professora de inglês no lugar onde estudo, eu finalmente terminei todos os livros e sou formada em inglês pela Wizard. Foi uma emoção enorme conseguir realizar essa meta porque não dá pra imaginar o quanto eu já tive vontade de desistir. Agora quero começar as aulas de espanhol…

  • Fazer uma tatuagem

Semana passada fiz a minha primeira tatuagem. Escrevi Expecto Patronum na lateral do seio. É uma tatuagem pequena e bem escondida (tanto que meus pais nem sabem dela ainda). Uma vez Potterhead, sempre Potterhead, não é mesmo?

  • Tirar mais de 700 no TOEIC

Essa foi a segunda prova do TOEIC que eu fiz, que consiste numa prova de 200 questões, sendo 100 de ouvir e 100 de escrever, todas objetivas e em inglês. Consegui tirar 765 pontos. A meta agora é chegar a 840, nota que meu emprego pede.

  • Diminuir o gasto com livros e roupas

Cheguei em um ponto onde metade do meu salário ia para livros e roupas e, apesar de ainda poder diminuir ainda mais os gastos, estou fazendo um controle bem maior com o dinheiro destinado para compras.

  • Tirar foto debaixo d’água

Essa era uma meta meio boba mas sempre quis tirar foto debaixo d’água e estou muito feliz de ter tirado.

  • Trocar livros

Qualquer dia faço um post só falando sobre isso, mas esse ano devo ter trocado uns 5 livros pelo Skoob e é uma experiência muito boa.

  • Dar aulas

Mal consigo acreditar que já vou fazer dois anos sendo professora. É uma sensação tão incrível ver meus alunos aprenderem e auxiliar nesse aprendizado. Porém, às vezes é bem estressante.

  • Comprar um óculos de sol

Sim, é uma meta fútil mas que eu estou feliz de ter realizado. É o fim das fotos no sol fazendo careta.

  • Pintar uma parte do meu cabelo de rosa, azul ou roxo

Nem parece que foi esse ano que eu pintei uma mecha do meu cabelo de rosa e depois de azul, minha nossa.

Essas foram as metas da lista que eu consegui riscar e apesar de ainda faltarem muitas e provavelmente não vá conseguir realizar as que faltam, estou muito feliz de ter riscado tantas. Apesar de serem metas bem simples, é muito gratificante reconhecer as pequenas vitórias que tive esse ano. Obviamente, consegui realizar muito mais que não está nessa lista uma vez que ela foi feita em uma fase diferente da minha vida. De lá pra cá muita coisa mudou, algumas metas nem tentarão ser realizadas mas o importante é ficar feliz com a superação dos desafios. Espero que em 2017 as coisas sejam ainda melhores e que eu tenha a determinação e a força de vontade para correr atrás das minhas novas metas. Feliz ano Novo.

Anúncios

Balanço geral de 2016

2139478d731f2d1ece8a29f1dfbb3759Nós, numa tentativa de acharmos o culpado pelas situações adversas temos a incrível mania de culpar o ano pelas coisas ruins que nos aconteceram. Se você entrou no Twitter essa semana, sem dúvidas percebeu que 80% das pessoas estão torcendo para que esse ano acabe de uma vez. Claro que ninguém culpa de verdade o número 2016 pelas tristezas que aconteceram mas com a chegada do ano novo, a esperança de que tudo será renovado é motivo de ansiedade.

Os últimos doze meses para mim foram difíceis. Meu relacionamento acabou, meus projetos falharam e mais uma vez meu intercâmbio não deu certo. Foi ruim lidar com tudo isso ainda mais com a minha tendência a prolongar o sofrimento mais do que é necessário. Recomendo que não façam isso. Tive momentos difíceis financeiramente, vi alguns sonhos se despedaçarem na minha frente, perdi pessoas queridas e me senti sozinha mesmo rodeada de pessoas.

Meu erro foi sofrer demais. Não aceitar que certas coisas não eram culpa minha. Não era o tempo certo. Me deixei chegar no fundo do poço para pegar impulso para sair. Bem, antes tarde do que nunca, não é mesmo? A partir do momento que eu aceitei que nem tudo aconteceria do jeito que eu queria e que eu deveria pegar leve comigo mesma, as coisas melhoraram.

As coisas não mudaram de um dia para outro. Foi um passinho de cada vez, como um bebê aprendendo a andar. Primeiro, me matriculei na academia. Percebi que tinha que cuidar mais do meu corpo e principalmente da minha mente. Também ousei gastar dinheiro com massagens e não estou nem um pouco arrependida. Mas o que me ajudou mesmo a sair do fundo do poço foi me reaproximar dos meus amigos. Sem eles, quero nem pensar onde estaria. Eles foram as melhores pessoas desse ano.

Foi um ano cheio de desapontamentos mas que serviram para me ensinar sobre mim. Sempre tive a autoestima bem baixa mas aprendi que eu sou uma pessoa maravilhosa. Que eu, Kamila, consegui chegar onde nunca imaginei que estaria e que coisas grandiosas estão destinadas para mim se eu me atrever a lutar por elas. Aprendi que eu posso ficar sozinha, sair de carro no meio da noite, viajar, beber uma cerveja depois da aula, me exercitar e principalmente me amar sem ter a aprovação de alguém antes. E isso é maravilhoso.

E o melhor de tudo, é só o começo.