Minha experiência com o intercâmbio de trabalho da Disney

IMG_6285

Sempre tive o sonho de fazer intercâmbio. O sonho virou uma meta que eu tento alcançar desde os 18 anos quando comecei a procurar diferentes cursos e países para estudar. Apesar de meta, nunca tinha dado certo. Mas esse ano eu estava disposta a mudar isso. Em Outubro de 2015 conheci o programa de intercâmbio cultural para trabalhar na Disney pelo canal do Igor Saringer. Ele tinha postado o primeiro vídeo sobre o processo e eu achei bem interessante. Em meados de Dezembro, quando ele já tinha postado um milhão de vídeos incríveis sobre o assunto eu decidi tentar.

O intercâmbio consiste em trabalhar nos parques e resorts da Disney entre Novembro e Fevereiro, quando geralmente ocorre as férias no Brasil. Para participar você precisa assistir uma palestra que ocorre em Maio em diversas cidades do Brasil e participar de uma entrevista com a agência que representa a Disney no Brasil, no caso a STB. Uma vez aprovado na primeira fase, você viaja para São Paulo para fazer uma outra entrevista com os recrutadores da Disney que decidem de fato se você está apto para trabalhar na Disney ou não.

Apesar de ser um processo lento e caro para a maioria das pessoas (principalmente para as que não moram em São Paulo e precisam pegar avião para as entrevistas) eu decidi arriscar. Coloquei esse intercâmbio no topo das minhas prioridades. Por meses procurei saber sobre cada mínimo detalhe de como funcionavam as coisas e cada nova descoberta a paixão pela Disney crescia cada vez mais.

O mais difícil para mim era arrecadar dinheiro suficiente para viajar. Trabalho como professora em um curso de inglês e apesar de não ganhar mal, dificilmente daria pra juntar dinheiro suficiente até Outubro. Comecei a economizar, aprendi a fazer brownie e vender na faculdade (@browniemaniamanaus) e até que deu pra juntar um pouquinho. Na minha cabeça, se não desse pra juntar dinheiro suficiente iria vender o carro, fazer empréstimo, o importante era não perder a oportunidade.

Chegou Maio e com ele a primeira entrevista. No dia 17 de Maio viajei para Brasília com o sentimento de que estava lutando para realizar um sonho. Graças a uma amiga que também estava tentando o programa, ficamos hospedadas na casa de uma moça muito fofa que abriu as portas para nós duas mesmo nunca tendo nos visto. Foi uma experiência que eu nunca esperava que acontecesse. Na palestra, tocou músicas da Disney e muita gente estava chorando logo no início. Mas eram lágrimas de excitação, cheias de esperança por não saber o que nos aguardava no futuro.

IMG_6196A entrevista aconteceu no mesmo dia, poucas horas depois da palestra. Fui o mais social que consegui, calça social, blusa branca de botões e um sapato preto fechado. Estava tão nervosa que minha mão tremia um pouquinho. Esperei meu nome ser chamado e entrei na sala meio desengonçada. A menina que ia fazer a entrevista junto comigo estava tão nervosa quanto eu. Éramos do mesmo grupo no WhatsApp. A entrevista correu muito bem, falei dos motivos que me fizeram escolher esse programa, por que queria trabalhar como mershandising ou custodial e como isso ajudaria minha carreira. Falei um pouco alto demais devido ao nervosismo mas fiquei feliz de pelo menos ter conseguido falar algo. Saí de lá tanto aliviada quanto temerosa por ter falado alguma besteira.

Voltei para casa e esperei o resultado ansiosamente. Checava se o status tinha mudado várias vezes por semana mesmo sabendo que o resultado só sairia em Julho. Tentei deixar a ansiedade de lado e focar em arrumar dinheiro para conseguir ir. No dia 2 de Julho os resultados começaram a sair. Estava dando aula quando o celular começou a apitar, todos os cinco grupos do WhatsApp que eu fazia parte estavam eufóricos. Naquela hora corri para olhar meu status, não abriu no celular, o computador travou, foi uma tensão só. Até que eu consegui abrir. Só não desabei em lágrimas na hora porque não podia fazer isso na frente dos meu alunos mas a decepção foi gigantesca. IMG_6147

Fiquei de stand by na primeira fase do processo da Disney. Assim que entrei no carro chorei bastante de decepção mas logo a esperança voltou um pouquinho. Ora, ficar de stand by significa ainda ter chance de passar, não é mesmo? Ainda haviam chances de me chamarem. E assim esperei. Os dias foram passando e quando saiu a primeira onda de chamados da lista de espera e meu status permanecia inalterado a pontinha de esperança que ainda me restava foi se apagando lentamente. Foi difícil encarar o fato de que não seria chamada para trabalhar na Disney. Saí de todos os grupos do WhatsApp e tentei tirar aquilo da minha mente. Foi difícil, os últimos meses da minha vida se resumiam a falar de Disney, ler sobre a Disney e pensar sobre a Disney. Sair dessa bolha foi bastante doloroso mas não teve jeito.

Me inscrevi para fazer um intercâmbio voluntário pra tapar a feridinha amarga que o processo deixou em mim. Decidi não levar adiante. Hoje é 30 de Agosto e a maioria das pessoas que passaram na segunda fase do processo estão com um sorriso no rosto por estarem recebendo o tão esperado e-mail de Congratulations. Espero que vocês aproveitem muito o programa e tragam boas lembranças e aprendizados. Para os que assim como eu não conseguiram esse ano, não fiquem triste ou muito menos menosprezem a felicidade do colega que passou. Esse não foi o fim. Pelo menos pra mim.

Hoje eu percebo que mesmo se passasse não teria como arcar as despesas do programa. Minha conta bancária hoje possui 2,50 reais muito bem economizados. Pensei muito se tentaria o programa de novo ano que vem pois farei TCC e estágio, mas vai saber o que o futuro me espera, não é mesmo? Decidi hoje que iria tentar novamente e que daria o melhor de mim para realizar essa meta. Se vai dar certo, ninguém sabe, mas como o boss disse ”if you can dream it, you can do it”. E assim será.

Have a magical day!

Anúncios

Tchau 2014!

E num piscar de olhos 2014 acabou. Parece que foi ontem que começou mas inacreditavelmente ele está acabando. Tanta coisa aconteceu esse ano, tantas lembranças boas que eu vou guardar pra sempre no coração mas ao mesmo tempo tantas coisas ruins que eu rezo para que não aconteçam novamente. Espero que tudo o que eu estou batalhando para realizar se concretize em 2015 e que oportunidades inesperadas aconteçam. Que todos nós sejamos cercados de amor e pensamentos positivos. E que venha 2015!

Esse post é uma espécie de retrospectiva de 2014 e faz parte do projeto fotográfico de Dezembro do grupo Rootaroots. Nele, estão as 10 melhores fotos que eu encontrei de momentos que marcaram meu ano de forma positiva (momentos que eu fotografei, porque procurando por fotos percebi que quase não tirei foto esse ano, uh) e de pessoas que espero que continuem para sempre ao meu lado.

1724658_598116446932776_1076391372_n

1889374_825376824155943_1180698002_n

IMG-20140406-WA0020IMG-20140330-WA0019IMG_0025

Processed with VSCOcam with t1 preset10707235_721578424558087_645404519_nDSC_0216IMG_1829IMG_2790

 

1. Primeiros livros que eu comprei em 2014. Quem é você, Alasca? virou um dos meus livros favoritos.

2. Feliz 18 anos para mim! No dia 12 de Fevereiro fiquei maior de idade e… nada mudou. Mas foi bacana comemorar junto com meus amigos e a minha família.

3. Show da banda Imagine Dragons no Lollapalooza. Foi o melhor show que eu assisti até agora e a primeira viagem que eu fiz (quero mais!).

4. Assisti o nascer do sol na praia abraçadinha com meu namorado na primeira vez que eu vi o mar na viagem bate e volta que fizemos para o Rio de Janeiro ❤ (ouço suspiros).

5. Achei digno colocar uma foto minha mostrando o que eu faço de melhor: Comer. De preferência na subway (pão 3 queijos de 15cm, peito de frango, queijo cheddar, adicional de cream cheese, alface, tomate, molho parmesão e barbecue saindo!). Perdi a conta de quantas vezes comi na subway esse ano já que tem uma pertinho da minha faculdade. Tô viciada, gente.

6. Feira de tecnologia que teve na faculdade e fizemos a cobertura do evento. Foi empolgante (a feira nem tanto).

7. Fui comemorar um aniversário de uma amiga em um bar gay (nunca alguém do mesmo sexo tinha dado em cima de mim, namorado achou graça)

8. Fiz um ensaio fotográfico super fofo e me senti a modelo que eu nunca fui (risos).

9. ”Quando uma mulher muda o cabelo ela quer mudar de vida”. Não sei quem disse isso mas merece um beijo por falar a verdade. Mudei! Tô loira, loirinha. Ok, nem tão loira assim porque não tenho essa ousadia toda mas pela primeira vez na vida mudei o cabelo e não me arrependi (como da vez que cortei uma franjinha ou da vez que cortei bem curtinho). Aplaudam de pé, senhores.

10. É Natal gente, uhu.

Sobre minha faculdade de Jornalismo

Se tem algo que abalou as minhas estruturas esse ano, foi entrar na faculdade. Para quem me acompanha desde o início do blog, sabe que eu comecei a fazer faculdade de Letras na Universidade Estadual do Amazonas e desisti para começar a faculdade que eu queria mesmo: Jornalismo. Sempre me perguntam porque eu fiz essa ‘loucura’ e eu os respondo: Para alcançar meu objetivo final, a faculdade de Letras era maravilhosa para eu crescer na literatura e na escrita, mas eu não sinto paixão alguma em começar a minha carreira dando aula para turmas de Ensino Médio. Pode parecer preconceito e sim, em algum momento da minha vida eu quero repassar os conhecimentos que eu adquiri para jovens, mas não enquanto eu posso fazer muito mais.

Porque escolheu Jornalismo então? Sendo Jornalista eu estou sempre em contato com o mundo, com pessoas e experiências que normalmente outras pessoas não teriam. Eu posso continuar escrevendo e minha ascendência na área dependeria disso (e outros fatores como responsabilidade, dinamismo, competência e etc). Já me alertaram que ser jornalista pode ser perigoso em alguns momentos e não tão remunerado quanto eu gostaria, mas definitivamente existem empregos piores. É um risco que eu pretendo correr.

Mas então, o que estuda a faculdade de Jornalismo? Como ainda estou no primeiro período, não posso entrar em detalhes sobre as matérias que eu ainda vou ter, portanto só falarei da minha grade nesse semestre. Meu curso é noturno e tenho seis matérias ao todo, sendo ministrada uma matéria por dia em três tempos de aula (19:10 às 21:40) com exceção as quintas e sextas que tenho duas matérias e quatro tempos de aula (18:20 às 21:40). O primeiro período é bem básico e introdutório, então não tenho matérias tão focadas na área de Jornalismo, mas sim na área de Comunicação Social, tanto que tem gente de Publicidade e Propaganda na turma.

Sobre as matérias, primeiramente eu tenho Sociologia, que é praticamente a mesma coisa que deram no Ensino Médio (sai do meu pé, Durkhein!). Depois vem Economia que diferente do que eu achei no primeiro dia de aula, não tem cálculo nenhum (Ainda bem), até agora estamos estudando a origem do comércio (aulas de história basicamente) e aquelas leis de mercado chatinhas como lei da oferta, demanda e etc. Quarta-feira é dia de Português que são praticamente as mesmas aulas que eu assisti na UEA (parágrafo padrão, Saussure e etc), nenhuma grande novidade. Logo mais tenho a matéria mais love&hate de todas: Metodologia do trabalho. Ô matériazinha que dá nos nervos. Nela, aprendemos como se deve fazer um trabalho acadêmico corretamente e quando eu digo ‘aprender corretamente’ eu quero dizer usando as normas da ABNT que, meus amigos, são muitas. Também tenho Teoria da comunicação que por enquanto é a minha matéria favorita, pois nela, aprendemos a teoria da coisa toda, desde o surgimento da comunicação,  comunicação verbal, não-verbal, pictórica etc e os estudos do mass media na sociedade. Por último, eu tenho a matéria de Antropologia que, para falar a verdade eu acho muito semelhante à Sociologia com apenas algumas pequenas diferenças.

Vocês têm alguma dúvida sobre a área de Jornalismo? Entrem em contato comigo ou comentem aqui embaixo que eu procurarei responder todas as dúvidas.

O que mudou depois de um mês?

Se fosse em outro momento da minha vida, eu diria que nada tinha mudado. Poderiam se passar meses, anos, a vida toda e eu continuaria a mesma de sempre. Sempre soube que esse ano seria diferente, que eu teria mais decisões a se fazer, mais responsabilidades e teria que  começar a ralar para realizar meus objetivos. Até aí tudo bem, eu estava me preparando psicologicamente para isso.

O que eu não esperava era não passar na faculdade que eu queria e ter que optar pro meu plano B, fazendo assim eu ir para um curso que eu não queria. Acontece, fazer o que. Nem tudo vai ser como a gente planeja. De qualquer forma, o primeiro semestre de 2014 foi um período de confusão, transição e aceitação. Não ia fazer algo que eu não gostasse só pela faculdade ser de graça.

Eis que começo o curso que eu queria (depois de muitas brigas e comentários horríveis) e já começo com um probleminha. Me matricularam num turno que não tinha. Pô, parece bobagem se preocupar com isso né, mas imaginem eu, chegando na faculdade explodindo de esperança para que dessa vez dê certo esse lance de Jornalismo e quando vou atrás da minha sala… ela não existe. Pois é, comecei a achar que isso era um sinal pra não fazer o curso. Mas como uma boa teimosa, eu resolvi fazer à noite.

Pode parecer precipitado dizer isso depois de um mês, mas eu estou apaixonada pelo curso, pela turma, pelas amizades que eu estou fazendo. Estou gostado de um forma que eu não conseguiria gostar se não tivesse arriscado mudar de faculdade tão rápido. Aquela dúvida que eu tinha antes sobre fazer a coisa certa já era, eu sinto que eu estou no caminho certo.

Mas não é tão fácil como parece. Para uma pessoa extremamente tímida como eu, todo dia é um desafio. Quem me conhece sabe que falar em público sempre foi um problema para mim. Sempre fui muito quieta e na minha, mas assim como fiz dança, teatro e modelagem para para perder a timidez, a faculdade de Jornalismo é mais um meio que vai me ajudar a me expressar. Eu tenho consciência que as coisas vão ficar mais difíceis mas eu pretendo arriscar quantas vezes forem necessário para conseguir o que eu quero.

Siga o blog no twitter: @blogalicerrada

101 coisas em 1001 dias

101em1001 Normalmente as pessoas fazem listas de metas na virada do ano para ter uma direção a qual seguir pelos próximos meses. Eu mesma fiz uma mas sei lá onde ela se escondeu então resolvi fazer essa que além de ser uma lista a longo prazo (dá pra fazer muita coisa em 1001 dias) eu me comprometo a realizar tudo. Essa lista, além de ter muitas coisas óbvias e simples de se realizar, terá pontos desafiadores (para mim pelo menos) que eu acredito que esse seja o objetivo desse tipo de lista, te estimular a realizar seus próprios desafios. Início: 16/07/2014 Término: 13/03/2017

  1. Fazer intercâmbio
  2. Viajar para fora do Brasil
  3. Escrever uma estória
  4. Tirar a CNH
  5. Começar a faculdade
  6. Terminar o curso de inglês
  7. Terminar o curso de informática
  8. Comprar uma câmera semiprofissional (Nikon D3200)
  9. Fazer um curso de fotografia (1 período de fotografia na faculdade serve, né?)
  10. Arranjar um emprego
  11. Tirar a Carteira de Trabalho
  12. Comprar um celular que preste
  13. Juntar dinheiro (isso é possível?)
  14. Praticar algum esporte ou ir a academia
  15. Tirar o passaporte
  16. Fazer aulas de francês, espanhol ou alemão
  17. Reformar meu quarto
  18. Fazer uma tatuagem
  19. Doar sangue
  20. Ficar satisfeita com o meu corpo
  21. Viajar com a família
  22. Conseguir pintar as unhas sozinha
  23. Aprender a usar o Photoshop
  24. Melhorar a minha escrita
  25. Estudar para passar na UFAM (de novo)
  26. Receber o vestido que eu comprei no aliexpress
  27. Tirar mais de 700 na redação do Enem
  28. Comprar uma estante
  29. Ler mais livros em inglês
  30. Planejar uma viagem
  31. Tomar mais suco do que refrigerante
  32. Andar de bicicleta
  33. Fazer um curso de web design
  34. Mudar o cabelo
  35. Chegar aos 50 quilos
  36. Aprender a tocar piano
  37. Ler o sexto livro de As crônicas de gelo e fogo (se for lançado antes de terminar o prazo)
  38. Passar com notas altas no primeiro período da faculdade
  39. Fazer um ensaio fotográfico inspirado em Alice no país das maravilhas
  40. Adotar um cachorro
  41. Começar a juntar dinheiro pra comprar meu apê
  42. Fazer um diário de intercâmbio
  43. Publicar um livro
  44. Comprar uma GoPro
  45. Tirar mais de 700 no TOEIC (765 pontos, uhu!)
  46. Fazer o TOEFL
  47. Diminuir o gasto com livros e roupas
  48. Fazer aula de tênis de quadra
  49. Ver neve
  50. Não desistir do blog
  51. Investir no blog
  52. Fazer um mochilão
  53. Ganhar flores
  54. Ir num festival de música em outra cidade
  55. Fazer um curso de escrita
  56. Ser mais independente
  57. Viajar com meu namorado de novo ❤
  58. Zerar Super Mario World (meta da infância)
  59. Ajudar um abrigo de animais
  60. Ganhar uma festa surpresa
  61. Fazer uma road trip pela Califórnia
  62. Ir pra São Francisco e ouvir ”If you are going to San Francisco”
  63. Aprender a tocar violão
  64. Fazer trabalho voluntário
  65. Ir a um show, balada ou rave
  66. Comer mais salada
  67. Ter um amigo estrangeiro
  68. Escrever mais textos
  69. Ter um texto meu publicado em um blog, revista ou jornal
  70. Conhecer mais a minha cidade
  71. Fazer aula de dança
  72. Fazer um estágio na área de Jornalismo
  73. Fazer um piquenique
  74. Fazer novos amigos
  75. Reler meus livros favoritos
  76. Fazer um período da faculdade no exterior
  77. Tirar foto debaixo d’água
  78. Doar as roupas que eu não uso mais
  79. Andar de patins
  80. Conseguir parceria com editoras
  81. Fazer um canal do YouTube
  82. Andar a cavalo
  83. Ter um domínio próprio
  84. Furar um piercing
  85. Trocar livros
  86. Fazer um varal de fotos
  87. Ler 5 livros sobre escrita e fotografia (01)[A jornada do escritor), (Sobre a escrita), (Os segredos da criatividade), (Como narrar uma história)
  88. Ir ao ginecologista
  89. Escrever no blog pelo menos 1 vez por semana até o final do ano Fuen
  90. Usar mais fotos minhas no blog
  91. Comprar um tênis novo
  92. Ter o visto americano
  93. Fazer trilha
  94. Voltar para a academia e ficar pelo menos 4 meses lá
  95. Fazer um ensaio de fotos de nu artístico
  96. Ser fotografada em um ensaio de nu artístico
  97. Dar aulas
  98. Comprar um coturno
  99. Comprar um óculos de sol
  100. Pintar uma parte do meu cabelo de rosa, azul ou roxo
  101. Aprender a fazer quadradinho hahaha

Ufa! Muita coisa pra fazer. Deixei 10 itens faltando pra preencher até o final dos 1001 dias, porque até lá, quem sabe, posso ter metas novas.

Evitei colocar coisas bestas na lista como ”Fazer tudo o que tem nessa lista” e coloquei coisas que já estão em andamento como tirar a CNH e terminar o curso de inglês. Gostaram da lista? Tem algum item que você se identificou? Também tem uma lista de 101 coisas em 1001 dias? Me mostra!

Um pouco de mim

Como um ano pode mudar alguém

Mudanças nunca são fáceis. De tempos em tempos precisamos mudar algo, seja algo banal como o cabelo, os móveis da casa ou nossas escolhas. Para mim, a mudança que mais me amedrontou esse ano foi a transição de terminar o Ensino Médio e começar a faculdade.

Desde o primeiro ano minha escola colocou em mim um objetivo: passar na faculdade. Não fazia ideia de qual carreira eu queria seguir, mas sabia que tinha que estudar pros meus concorrentes não passarem a minha frente e tomar a minha vaga na Federal. Eu tinha um foco, um objetivo. Depois de três anos de vestibulares, provas, cursinhos e estudos, eu tinha escolhido uma carreira: Jornalismo.

Infelizmente, por muito pouco não consegui passar em Jornalismo na Federal, mas tinha feito o Vestibular da Estadual que, por não ter Jornalismo eu optei por Letras e passei no Vestibular. Como não havia passado no curso que eu queria de primeira, optei pela minha segunda opção e me matriculei em Letras na UEA.

Não sei dizer se devido a frustração de não passar no que eu queria ou o curso em si, mas eu não me interessei pela grade logo de cara. Não conseguia me sentir empolgada a ir pra faculdade, a estudar e me sentir parte dos calouros. Não bateu, sabe? Acabei faltando as duas primeiras semanas de aula, tinha praticamente desistido do curso.

Como a boa teimosa que sou, não estava feliz de ter desistido tão rápido e acabei voltando para as aulas. Assisti as aulas, conheci pessoas, tentei me esforçar, mas eu não me sentia satisfeita. Não queria fazer o curso, mas não sabia o que fazer. Viajei para São Paulo e acabei tirando isso da cabeça por uns dias, deixando de lado e aproveitando.

Quando voltei estava decidida a fazer o que eu queria. Não seria fácil, desistir nunca é tão simples quanto parece. Tive que ouvir comentários do tipo ‘’Não aguentou nem um período? Mas que idiota. ’’ Ou ‘’Você saiu da Estadual para ficar em casa fazendo nada? ’’ Foi uma fase complicada, afinal, eu não sabia o que fazer. Esperar o vestibular no final do ano ou começar numa faculdade particular no próximo semestre?

Meu conselho para aqueles que querem parar de estudar por um tempo: Não faça isso. Minha vida inteira se resumiu em estudar e agora eu me sinto perdida. Não lembro de grande parte das coisas que estudei há pouco tempo. Não é legal ficar de ‘’férias’’ por metade do ano. Posso parecer louca por dizer isso, mas quero logo que essas férias acabem. Depois que meus pais viram que não tinha jeito e eu não iria voltar pra faculdade, eles começaram a me incentivar a fazer o que eu queria. Mês que vem começo a faculdade de Jornalismo numa Universidade particular e não estou me aguentando de tanta ansiedade.

Para não ficar tão à toa por seis meses, comecei a tirar a primeira habilitação e me matriculei em um curso de informática que estava adiando a anos. Também criei esse blog para não ficar tão enferrujada na escrita. Meus amigos já estão indo pro segundo período e eu aqui, dando um tempo. Às vezes, antes de dormir reflito se fiz a escolha certa e acredito que fiz sim.

Agora percebo que todas essas dúvidas e inseguranças que tive ajudaram a descobrir um pouco mais de mim mesma. Me ajudaram a crescer e se sentir livre para ser e escolher o que eu quiser. E eu estou feliz com isso. Estou feliz em escrever a minha própria história, ser a protagonista que de algo muito grande, como a minha vida.