Resenha: Para onde ela foi

Gayle Forman, 239 páginas. Editora Novo Conceito, São Paulo – 2014.

IMG_4504

Para onde ela foi é a continuação do best-seller Se eu ficar, o qual já foi resenhado aqui no blog. A história conta sobre o que aconteceu depois do acidente que matou a família de Mia pelo ponto de vista do Adam, o seu namorado. Antes de começar o livro não tinha gostado muito da mudança de ponto de vista por que isso me lembra o livro não lançado da saga Crepúsculo, que era escrito pelo ponto de vista do Edward e tudo o mais e… não rolou. Mas passando o preconceito inicial, foi bem interessante conhecer a mente de outro personagem que viu de fora tudo o que aconteceu no primeiro livro e acompanhar a nova história de amor deles.

A história se passa três anos depois que Mia acordou. Adam nos conta de forma bem dolorida sobre a recuperação dela e como apenas a música conseguiu fazê-la melhorar. Depois que Mia foi pra Juilliard e deixou Adam para trás, o garoto descontou toda a sua frustração na música. Resultado: A Shooting Star virou a banda mais famosa dos Estados Unidos, ganhando muitos prêmios e sendo reconhecida mundialmente.

IMG_4501

Adam agora vivia como uma celebridade, era atacado por fãs e paparazzis, frequentava eventos importantes, tinha uma mansão em Los Angeles onde vivia com a sua namorada Bryn, que também era uma celebridade e tinha uma vida extremamente fútil e superficial. Enquanto isso, em Nova Yorque Mia se tornava um prodígio da música clássica, sendo igualmente reconhecida no seu ramo.

O destino finalmente os cruza em uma noite em Nova Yorque. Adam, que estava meio descontrolado devido a pressão de ser uma celebridade, acaba andando em círculos pela cidade até topar com o letreiro do teatro Carnegie Hall reluzindo que haveria um concerto dela naquela noite. Hesitante, ele acaba assistindo-a. A história acontece em apenas uma noite, intercalando o presente com flashes do passado, tornando a história triste por causa dos acontecimentos passados e esperançosa pela ideia que todos poderiam recomeçar. A leitura é mais leve que o primeiro volume portanto flui mais facilmente. As páginas são amarelas, o que eu gosto porque não cansa muito a vista e tem notas musicais enfeitando as páginas da mesma forma que o primeiro livro. Acho interessante ressaltar também a atenção que a autora teve em escrever letras de músicas para a Shooting Star e colocar seus trechos no início de cada capítulo.

Processed with VSCOcam with b5 preset

Meu primeiro impulso não é agarrá-la, beijá-la ou gritar com ela. Só quero tocar seu rosto, ainda corado pela performance de hoje. Quero diminuir o espaço que nos separa, medido em passos – não em quilômetros, não em continentes, não em anos -, e colocar meus dedos calejados no seu rosto… Mas não posso tocá-la. Esse é um privilégio que não existe mais.

Anúncios

Tag: 20 perguntas sobre livros

tag20perguntassobrelivros.jpgFinalzinho de ano e muito tempo livre pra fazer post, ô maravilha. O post de hoje é uma tag muito bacana que eu vi no blog Diário de uma quase escritora, onde vou responder 20 perguntinhas sobre livros. Eu vi que a autora da tag fez em formato de vídeo, entretanto, decidi responder as perguntas por meio de fotos (vou riscar o item 90 da lista 101 em 1001 em breve, vocês vão ver) e achei o resultado bem legal mesmo tendo dificuldade em encontrar livros que se encaixassem nas perguntas.

IMG_1798

  1. O primeiro livro de uma série: A Guerra dos Tronos, da série As Crônicas de gelo e fogo – George R. R. Martin
  2. O segundo livro de uma série diferente: Harry Potter e a Câmara Secreta – J.K. Rowling
  3. Um livro com azul na capa: A culpa é das Estrelas – John Green
  4. Um livro com um título de 7 letras: Tentada, da série House of Night – P.C. Cast e Kristin Cast
  5. Um livro que tenha um rosto na capa: A Escolha de Elphame – P.C. Cast
  6. IMG_1813Um livro que você nunca leu: Deserto – Luis S. Krausz
  7. Um livro que tenha céu na capa: O feitiço da Noite – Leah Cypess
  8. Um autor que tenha a primeira letra do nome igual a sua: A resposta – Kathryn Stockett. IMG_1800
  9. Um clássico: Alice no país das maravilhas – Lewis Carrol
  10. Um livro que não seja ficção: Revolução Francesa – Fréderic Bluche, Stéphane Rials e Jean Tulard Processed with VSCOcam with t1 preset
  11. Um livro com 4 ou mais cores na lombada: A sombra da Serpente – Rick Riordan
  12. IMG_1814Um livro que diga “#1 New York Times Bestseller” na capa: Feios – Scott Westerfeld. Não é #1 mas foi o único que dizia ser bestseller do NY times que eu encontrei na minha estante.IMG_1810
  13. O menor livro (não apenas de páginas, na largura e altura também) na sua estante: Diário de uma paixão (versão pocket) – Nicholas Sparks
  14. IMG_1811O último livro que você comprou (se você comprou mais de um pode escolher qualquer um deles): Se eu ficar – Gayle Forman. A resenha desse livro você confere aqui.Processed with VSCOcam with t1 preset
  15. Um livro com FLORES na capa: Formaturas Infernais – Meg Cabot, Stephenie Meyer, Michele Jaffe, Kim Harrison e Lauren Myracle.IMG_1812
  16. Um livro publicado há mais de 10 anos: Dom Casmurro – Machado de AssisProcessed with VSCOcam with m3 preset
  17. Um livro com uma sequência que será lançada ano que vem: A Escolha – Kiera Cass
  18. Um autor que tenha a primeira letra do nome igual a do sobrenome: A pirâmide vermelha – Rick Riordan
  19. Um livro que tenha epílogo: Amanhecer – Stephenie Meyer
  20. Um livro que tenha no título uma palavra inventada: Rangers – A ordem dos arqueiros

Vocês gostam de posts desse tipo? Eu tirei todas as fotos com o celular (até apareci em uma hehe) e tentei editar no VSCOcam. Sigam-me no meu instagram pessoal, o @milacavalcante. Estou pensando em criar um instagram só para o blog, o que vocês acham? Beijos!

Resenha: Se eu ficar

Gayle Forman, 224 páginas – Editora Novo Conceito, São Paulo, 2014.

se eu ficar capa

Meu primeiro contato com a história foi pelo trailer do filme. Não sei se foi devido a minha tpm enorme nesse dia mas comecei a chorar assistindo ao trailer e sabia que tinha que procurar mais sobre a história. Descobri que o filme era baseado em um livro e corri para lê-lo, mas isso só aconteceu de verdade essa semana. O livro conta a história de Mia, uma adolescente apaixonada pela música, por seu namorado Adam e principalmente por seus pais e seu irmãozinho Teddy.

Os pais de Mia são personagens incríveis, apaixonados pela música e muito carismáticos. O pai de Mia era um rockeiro punk, baterista de uma banda, a qual abandonou depois que teve o segundo filho e virou professor, mas o espírito de rockeiro dele continua presente, o que faz dele um personagem interessante e muito envolvente. A mãe de Mia também era uma rockeira punk que seguia a banda do pai de Mia e tinha um amor enorme pela música.

“She didn’t care that people called her a bitch. ‘It’s just another word for feminist,’ she told me with pride.”

Falando sobre a música, ela está tão presente no livro que é como se fosse um personagem secundário. Mia herdou de seus pais o amor pela música, mas ao invés de gostar de rock, ela se sentiu atraída pela música clássica e ficou apaixonada pelo violoncelo. Seus pais a apoiaram desde que essa paixão pelo instrumento se mostrou séria e Mia se tornou uma grande violoncelista, provavelmente sendo aceita em Julliard. A música também está presente no relacionamento de Mia, já que seu namorado Adam, é guitarrista e vocalista de uma banda em ascensão de Portland e foi a música que os juntou.

Num dia de neve, Mia e sua família decidem visitar uns amigos de carro e tudo muda em um instante quando um acidente acontece. Desnorteada, Mia se encontra no acidente vendo tudo como um espectador, ela vê seus pais sendo retirados dos destroços, o carro que a família estava destruído pelo impacto com o caminhão e o seu próprio corpo sendo resgatado e levado rapidamente para o hospital. Sem saber o que estava acontecendo, Mia se vê deitada numa UTI desacordada, sem conseguir falar com ninguém ou saber o que tinha acontecido com seu irmãozinho.

seeuficar

Logo, Mia vê seus avós, tios e primos chegarem no hospital para visitá-la, vemos Kim e Adam tentar invadir a UTI para vê-la e finalmente Mia se depara com a realidade que sua família tinha morrido no acidente e ela está quase morta também, cabendo a ela a decisão de ficar e encarar a realidade assustadora de ter perdido a família ou ir embora sem dor ou choros e deixar Adam e seus avós.

Sou eu quem deve decidir. Agora sei.

E isso me aterroriza mais do que qualquer outra coisa  que aconteceu hoje.

E onde será que Adam está?

Durante a história, os capítulos são alternados com flashbacks da vida de Mia, como sua paixão pelo violoncelo aflorando junto com sua esperança de ir para Julliard, o seu relacionamento com Adam e seus momentos simples e engraçados com a sua família. Outro aspecto que me encantou no livro foram os personagens secundários, principalmente a enfermeira Ramirez e os avós de Mia, que não aparecem muito mas são espetaculares.

Vi muita gente reclamar da capa do livro ser igual ao pôster do filme mas eu adorei a capa e os detalhes das capas que lembram partituras de músicas. Minha única reclamação é com a edição do livro que parece ser meio desleixada, deixando períodos mal estruturados e algumas palavras erradas. Essa edição da Novo Conceito conta ainda com entrevistas bem interessantes com os atores do filme e um trecho da continuação do livro ”Para onde ela foi.”

Se eu ficar é um livro incrível que merece ser lido por todos pois ensina muito sobre o amor, sobre a importância da família e sobre as escolhas importantes que devemos tomar. O filme está em cartaz em quase todos os cinemas brasileiros, corre para assistir!

ifistay